Vulnerabilidade

2 maio, 2008

Texto muito bom de uma grande amiga, grande jornalista, mais amada que uma irmã, Cibele, que retrata bem o tema de relacionamentos, tão conflitante nestes dias de pós-modernidade e vidas virtuais, aproveitem.

Quem se acostumou a ser forte e contruiu muros altos, se vê nu e desprotegido quando se arrisca pra viver sendo mais gente, no meu caso, sendo mais mulher. A sensação é de exposição, ou melhor, de fragilidade. Frágil ao sair da retaguarda e ainda cheia de medos e com um pouco de timidez, deixei que você entrasse.

Antes disso, fui eu quem bateu na porta, e, aos pouquinhos fui entrando, às vezes com sua permissão, às vezes na cara dura. E o que vi dentro das janelas e portas empoeradas que se abriam era muito diferente da aparência sombria que tinha do lado de fora. Tinha um mundo desconhecido e encantador, cheio de idéias mirabolantes. Encontrei doçura e ouvi histórias nunca antes contadas. E ouvir cada uma das histórias me deixou feliz.

Contemplando seu universo, comecei a sentir uma inquietação boa. Não sei nomear as impressões ou sentimentos, só sei que eram inspiradores. Depois me culpei por ter me permitido. Temi por ter arriscado e por ter aberto a porta. Mas hoje entendo que não há relacionamento sem uma ponta de vulnerabilidade.

Vulnerável me tornei.

E vejo que não há culpa nisso, há sim muita verdade, maturidade. Tenho orgulho de mim mesma por isso, por ter colocado as armas no chão, por ser mulher, por ser mulherzinha, com todas as coisas boas, neuras e complexidades que há isso.

E embora não saiba onde tudo isso vai parar, o aprendizado da vulnerabilidade carrego no peito: para relacionar-se é preciso sair de dentro de si.

C.

3 Respostas to “Vulnerabilidade”

  1. Eduardo Says:

    Estranho ver minha vida, meus medos tão expostos! hehe… Mas sei que o que tenho aprendido não é uma lição individual, mas uma verdade absoluta pra qualquer um que queira se relacionar! Contruimos assim nossa amizade, Bispo: sendo vulneráveis uns com os outros, principalmente naquela época do nosso deserto.. E isso nos aproximou tanto! Sei que preciso levar isso pra vida, pra os outros relacionamentos em todos os seus campos e níveis e que Deus nos ajude a sairmos de dentro de nós mesmos!
    Abraços cheio de saudade

  2. Cibele Tenório Says:

    Estranho ver minha vida, meus medos tão expostos! hehe… Mas sei que o que tenho aprendido não é uma lição individual, mas uma verdade absoluta pra qualquer um que queira se relacionar! Contruimos assim nossa amizade, Bispo: sendo vulneráveis uns com os outros, principalmente naquela época do nosso deserto.. E isso nos aproximou tanto! Sei que preciso levar isso pra vida, pra os outros relacionamentos em todos os seus campos e níveis e que Deus nos ajude a sairmos de dentro de nós mesmos!
    Abraços cheio de saudade


  3. […] ao meu texto, cito os textos de minha amiga Cibele que postei anteriormente, para ver clique aqui, e também o texto do Thiago, sobre Lucas 24: 41 a 43, clique […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: